Casa Oiti

Descrição

Esta residência é fruto de dois anos de muitos rabiscos e projetos, buscando conciliar as origens e gostos diversos dos proprietários. Design e sustentabilidade foram priorizados em cada cômodo.

As paredes do pavimento térreo foram erguidas com tijolos de solo-cimento, que não vão ao forno. Metade das taubilhas usadas no telhado é de casas demolidas na região. Todas as peças estruturais de madeira e as 3 portas de entrada foram adquiridas na demolição de uma igreja próxima ao rio Jequitinhonha, na divisa de Minhas Gerias com Bahia, e carregam mais de 140 anos de história. Entre elas: pau-brasil, jacarandá, braúna, ipê e roxinho. O piso das áreas internas é divido entre madeira de demolição, ladrilho hidráulico e cimento queimado. Este último, revestiu as paredes de áreas molhadas como banheiros, cozinhas e lavanderia, evitando a manutenção periódica das tintas convencionais.

Uma parede de taipa de pilão, técnica centenária presente na igreja de Trancoso, foi erguida na sala de estar para receber o jardim interno. Com muita luz natural e bem ventilada, a casa conta com diversas peças de antiquário e ferro-velho, e criações exclusivas para o projeto: camas, mesas, bancos, sofás e luminárias desenhados pelo Vida de Vila e executados por artesãos do sul da Bahia.

Ficha Técnica

  • arquitetura: vida de vila
  • construção: vida de vila e antônio santos
  • interiores: vida de vila